página inicial | contatos    
Buscar no site:
Artigos
 
CULTURA OU ESCRITURA? - Por Márcio Rocha
 
Jesus, certa vez, orou: “Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade” (João 17.17). A santificação é produzida principalmente pelo conhecimento e prática da Palavra de Deus, que é a verdade. Onde podemos encontrar a palavra de Deus? Sem dúvida, podemos encontrá-la na Bíblia. Nos seus livros, tanto no Velho quanto no Novo Testamento, encontra-se a revelação de Deus para a humanidade, isto é, para nós. Às vezes, perdemos de vista o significado dessa expressão “revelação de Deus”. Revelação é a exposição de algo que não estava claramente demonstrado ou conhecido anteriormente, ou até mesmo de algo que estava escondido. Antes de a Bíblia ser escrita, os homens e mulheres de Deus tinham que basear sua fé em conhecimentos transmitidos verbalmente pelas gerações passadas e principalmente na experiência própria com Deus.
Deus sempre falou ao homem de muitas formas, e uma delas é a palavra escrita. A revelação escrita de Deus começou com as tábuas da Lei, que continha os dez mandamentos e continuou com o registro dos diversos livros que hoje a compõem. Sem querer me aprofundar aqui na questão da canonização (definição) dos livros da Bíblia, quero me concentrar no ponto principal, ou seja, que ela, por conter a palavra de Deus, merece toda a nossa atenção. Jesus também disse: “As palavras que eu lhes disse são espírito e vida” (João 6.63).
A Bíblia contém praticamente tudo o que precisamos para ser feliz. Visto que fomos criados por Deus para termos um relacionamento direto com Ele, e Adão e Eva o prejudicaram, na Bíblia estão as diretrizes para a restauração desse relacionamento. Sem relacionar-se pessoalmente com Deus, por meio da adoração, nenhum ser humano será plenamente feliz, pois para isso foi criado. Jesus falou que o mandamento mais importante de todos é “amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento” (Mateus 22.37-38). Na Bíblia está também a base de todo relacionamento social saudável e puro – “amar ao próximo como a si mesmo” (Mateus 22.39,40). Nos livros da Bíblia se encontra sabedoria, e da melhor: a sabedoria divina para o trabalho, para a família, para as finanças, e enfim, para a vida cotidiana.
Muitas vezes, no entanto, temos preferido ouvir mais o que a sociedade diz do que ouvir a palavra de Deus. Digo que temos preferido ouvir a sociedade, pois passamos uma enorme quantidade de tempo “ouvindo” o que a cultura produz, em termos de palavra escrita e falada. Televisão, jornais, novelas, revistas, livros, Internet e filmes tomam o nosso tempo diário e semanal e depois dizemos que não temos tempo para ler a Bíblia, nem para orar.
Se ouvimos mais a cultura e a sociedade (ou seja, o mundo) do que a Deus, as nossas decisões para a vida serão mais influenciadas pelo que ela diz. Não é difícil entender porque tantos que se dizem cristãos estão com suas finanças arrasadas, devendo “a Deus e ao mundo” como se diz popularmente. Não é difícil entender também porque há tantos com depressão, embora saiba que há casos em que essa doença se desenvolve por causas orgânicas, somáticas, e não somente emocionais. Também não é difícil entender porque há tantos casais se separando. Porque há tanta corrupção e tão pouca ética na política e nas relações profissionais? Tudo isso é resultado de “ouvir” a cultura e não a Escritura.
Conheço pessoalmente pessoas que vivem há muitos anos freqüentando igrejas e não crescem. Não se vêem transformações de caráter nessas pessoas ao longo do tempo. Elas querem que um pastor as alimente espiritualmente uma vez por semana e só. Elas não somente reduziram, mas também terceirizaram o aprendizado da palavra de Deus. Decidiram que o sermão do pastor de sua igreja é a única fonte de onde precisam ouvir a palavra de Deus. Eu mesmo agi assim por muito tempo, até decidir firme e disciplinadamente a ler a Bíblia diariamente. Hoje não consigo passar um dia sem Lê-la nem nela meditar. Tornou-se um hábito, como é escovar os dentes após as refeições. Pode não haver tempo para ler o jornal, para ler as mensagens de e-mail, mas para “ouvir” ao Senhor não falta tempo. È o mais importante. E o resultado disso? Pergunte à minha esposa e aos meus amigos.
Paulo diz que “toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça, para que o homem de Deus seja apto e plenamente preparado para toda boa obra” (2 Timóteo 3.16-17). Naturalmente Paulo referia-se nesta passagem ao Antigo Testamento, pois os livros do Novo Testamento ainda não haviam sido todos escritos, nem canonizados. Porém o importante é o princípio contido nesses versículos. Queres ser um homem (ou mulher) de Deus, apto(a) e preparado(a) para toda boa obra? Então comece a estudar sistematicamente as Escrituras.
Ouvir a palavra de Deus é muito mais do que ler a Bíblia ou assistir um sermão. É dar atenção ao que o Senhor diz e seguir suas orientações, na prática. Porém, como praticar sem antes ter aprendido e como aprender sem antes ter entendido e como entender sem antes ter ouvido?
Outro aspecto importante a considerar é a “programação” da nossa mente. Devido ao pecado, “residente” em nosso corpo, a nossa mente tende naturalmente a se afastar de Deus. Sem a leitura sistemática da palavra de Deus a nossa mente será como um jardim sem cuidados diários. Tornar-se-á um terreno baldio, ou como dizemos “mato” em poucos dias. Também pode-se comparar a um corpo humano sem alimentação nem higiene diária. Bastarão alguns dias assim para que surjam doenças ou até a morte.Temos a tendência natural de sermos egoístas e de, aos poucos, esquecer e rejeitar os princípios bíblicos. Parece até que a nossa memória “deleta” rapidamente a sabedoria de Deus e “salva” com muito mais facilidade a sabedoria humana. Não foi à toa que o Senhor disse que os que o quisessem seguir, deveriam “tomar a sua cruz a cada dia” (Lucas 9.23).
O Pastor e Escritor Rick Warren disse com muita propriedade:
“muitos dos nossos problemas ocorrem porque baseamos nossas decisões na cultura (“Todo mundo faz isso”), na tradição (“sempre foi feito assim”) e nas emoções (“senti que era a coisa certa a fazer”)”.
Tais critérios foram corrompidos com a entrada do pecado no mundo e não devem servir como referência para os cristãos.
Para sermos felizes e bem sucedidos segundo a sabedoria divina, nosso referencial deve ser absolutamente a Palavra de Deus, contida na Bíblia. Certa vez, fui duramente criticado por uma colega de trabalho porque eu não tinha idéias próprias acerca das grandes questões da vida e da existência. Respondi-lhe na ocasião, que o que ela havia dito era verdade. Minhas idéias neste campo não são nada originais (glória a Deus por isso!) são os pensamentos de Deus revelados na Bíblia. Nossa filosofia de vida deve ser aquela que espelha a doutrina (evangelho) de Jesus. Nossos pensamentos, intenções e motivações devem ser aqueles que o Senhor nos deu em sua Palavra. Nossas decisões devem estar baseadas na Escritura e não na Cultura. O resto é com Deus. Confia Nele, e tudo mais ele fará! (Salmo 37.3-5)
Márcio Rocha é um dos fundadores do Instituto Ser Adorador (ISA). É cristão, membro da Igreja de Cristo na Aldeota em Fortaleza; guitarrista, compositor, arranjador e produtor, além de engenheiro civil. Saiba mais sobre ele indo para o “Quem Somos”.
Voltar aos Artigos
 

<< Retornar


Faça seu site conosco!